sábado, 26 de novembro de 2016

Livros Caminhos da linguagem vol I e II

Para quem não teve a oportunidade de ir ao lançamento na livraria Fnac, na Feira do Livro em Porto Alegre ou no Fórum da Fapa colocamos estes livros a disposição através do email ligia.coppetti@gmail.com ou do watsapp 02151.99216.7924.


Preço: vol I 35.00 reais
             vol II 40.00 reais
Mais despesas de correio

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

XIV FÓRUM FAPA 2016

XIV FÓRUM FAPA – "Conhecimento: caminho para ir além" acontecerá nos dias 21, 28/11 e 05/12.

O evento é composto por:

XVI MIC – Mostra de Iniciação Científica
XV MEP – Mostra de Experiências Pedagógicas
XII MPPG – Mostra de Pesquisas em Pós-Graduação
X MEPPES – Mostra de Experiências Pedagógicas e Pesquisas em Ensino Superior
IX MEJOP – Mostra de Experiências de Jovens Pesquisadores


O evento é uma oportunidade para apresentação de trabalhos de pesquisa e aberto para alunos e de professores.

Veja o cronograma AQUI. 

Os alunos poderão ainda validar a participação como horas complementares e ainda tem a possibilidade de enriquecer o currículo acadêmico.

Haverá lançamento com venda de livros unicamente no dia 26/11 das 10 horas ao meio dia. 

Estaremos presentes com os volumes I e II do livro "Caminhos da Linguagem: uma visão transdisciplinar".






Endereço: Av. Manoel Elías, 2001 - Passo das Pedras, Porto Alegre - RS
Telefone:(51) 3382-8282

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Vendo livro novo de xamanismo







Vendo por R $10.00 cada exemplar mais despesas de correio. Envio para td país .
Autor Djalma Sayao Lobato

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Os desafios de uma praxis educativa reflexiva

Clara Maria C. Brum de Oliveira


praxis educativa e sua construção

Até o momento, você estudou que a pesquisa é uma atividade importante para o saber docente. Observou, também, que ela assume uma função educativa para aquele que pretende ensinar e que deve, antes de tudo, aprender a prender. Vamos, agora, problematizar um pouco mais o tema docência, focalizando o sentido de uma praxis educativa, bem como investigar a contribuição da filosofia nesse caminho.
 
O que significa praxis?

O termo praxis é um termo grego que significa ação (ABBAGNANO, 1982, p. 755). Essa palavra assume o sentido de ação ou atividade, mas configura em Karl Marx um significado muito especial. Para este pensador, refere-se à atividade livre, universal, criativa e autocriativa, através da qual o ser humano cria (faz e produz), transforma (conforma) seu mundo, bem como a si mesmo. Portanto, trata-se de uma atividade inerente ao ser humano e que o torna diferente de todos os demais seres (BOTTOMORE, 1992, p. 292).

Como podemos pensar a ideia de uma praxis educativa?

A ideia de uma praxis educativa está intimamente ligada à concepção de uma educação crítica, no sentido de um modo de proceder que está orientado para ação, para o desocultamento das contradições e desvelamento das aporias nas relações sociais (BAPTISTA, 2008, p. 71).

Busca-se, então, uma prática que visa à alteridade, no sentido de inseri-la no próprio sentido de gênero humano, na “construção do homem” (BAPTISTA, 2008, p. 71). Nesse aspecto, podemos olhar para a célebre frase de Marx segundo a qual os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de diferentes maneiras, todavia, é preciso transformá-lo, para ressignificar a atividade docente como elemento essencial de uma praxiseducativa.

Uma praxis educativa necessita de uma postura crítica diante da realidade e, ademais, requer o cuidado na seleção de conteúdos, sensibilidade para escolha de estratégias pedagógicas e abertura de espírito para novos saberes. Numa palavra: empenhamento que significa predisposição para enfrentar a atividade docente com curiosidade e entusiasmo.


Como a filosofia pode contribuir para a reflexão crítica?

 “O filosofar é um ato pedagógico”
(Jayme Paviani)


Segundo Dalbosco, Casagranda e Mühl (2008, p. 1) a vinculação entre filosofia e educação ficou obliterada em muitos momentos de nossa história pedagógica, por razões teóricas e políticas, considerando-se “o receio contra o poder crítico que o pensamento filosófico poderia exercer quando direcionado à reflexão do processo formativo-educacional de novas gerações”, como, também,  a tendência à positivação do espírito que envolveu modelos de racionalidade oriundos da ciência moderna.

Em culturas mais desenvolvidas, sob o ponto de vista do conhecimento, a filosofia assume papel importante nos processos educacionais e contribui de maneira efetiva na formação da imagem do homem e do mundo (PAVIANI, 2008, p. 5), porque a educação é resultado de uma construção filosófica!

Nesse horizonte, podemos resgatar o sentido de uma leitura filosófica da educação e seus atores, observando que o olhar filosófico sobre o mundo não é, e jamais será, privilégio dos filósofos de formação, mas, antes, um olhar que se funda numa investigação criteriosa sobre os fundamentos das nossas maneiras de ser e agir, pois a Filosofia

é um modo de pensar que acompanha o ser humano na tarefa de compreender o mundo e agir sobre ele. Mais que postura teórica, é uma atitude diante da vida, tanto nas condições corriqueiras como nas situações-limites que exigem decisões cruciais (ARANHA; MARTINS, 2003, p. 81).

A sua utilidade, portanto repousa sobre a possibilidade de nos tornarmos humanos, ou seja, nos apropriarmos dos conhecimentos, dos valores, enfim da cultura produzida na temporalidade histórica (BAPTISTA, 2008, p. 12). Sua importância está


no fato de que, por meio da reflexão, a filosofia nos permite ter mais de uma dimensão, além da que é dada pelo agir imediato no qual o ‘indivíduo prático’ se encontra mergulhado. É a filosofia que dá o distanciamento para a avaliação dos fundamentos dos atos humanos e dos fins que eles se destinam. (...) Portanto, a filosofia é a possibilidade de transcendência humana, ou seja, a capacidade de superar a situação dada e não-escolhida. (...) A filosofia impede a estagnação (ARANHA; MARTINS, 2003, p. 91 – grifos das autoras).

Não se poderá, portanto desvincular a praxis educativa de um apoio na reflexão filosófica que oportuniza as condições de possibilidade de um olhar crítico sobre a experiência docente, sobre as intencionalidades que se desvelam nas escolhas de conteúdo, bem como na metodologia escolhida para as diferentes áreas do saber humano.

A Filosofia pode ser útil à educação quando assume a tarefa crítica e reflexiva em relação às teorias e ações educacionais, porque não basta ensinar apenas o que se sabe. O professor reflexivo, em verdade, articula saberes, relaciona oposições, ultrapassa suas competências cognitivas para buscar novos saberes e, assim, integrar o outro em sua praxis. Sobre este aspecto Jayme Paviani (2008, p. 13) observa que

O refletir possui, sem dúvida, uma dimensão especificamente filosófica. E, nesse sentido, a filosofia possui as condições de distanciamento epistemológico de criticar a si mesma e de questionar os próprios pressupostos. Em consequência, o filosofar emerge no ato de educar quando em educação, se procuram confrontar, a partir de olhares diferentes, os núcleos identificadores de cada projeto pedagógico.

Assim contribui para uma praxis educativa quando nos conduz às indagações que envolvem valores,  crenças e modelos que estão na base de nossa experiência, possibilitando resgatar o que foi esquecido ou negado por teorias e autores que fundamentam tal vivência. Abre, sem dúvida, um espaço a partir do qual experiências e problemas vivenciados ou compartilhados colaboram para reconstrução que une prática e conhecimento.

A metodologia filosófica



Na atividade docente, a Filosofia poderá oferecer ferramentas para o desenvolvimento do pensamento crítico, dentre as quais, destaca-se a possibilidade de ler textos não filosóficos de maneira filosófica.

Neste ponto, alguns autores denominam esse saber-fazer de método de análise estrutural que não está relacionado ao pensamento estruturalista, mas focaliza a estrutura interna de um texto, filosófico ou não. Desvela a importância da coerência de argumentos, conceitos e proposições. O que não significa dizer que não se possam utilizar outros recursos para uma análise eficiente – um texto poderá ser abordado de diversas maneiras (MACEDO JR., 2008).

Nesse sentido, o primeiro passo está em perceber e compreender a coerência e a lógica interna dos argumentos do autor do texto.  E, como leitor-discípulo, afasta-se momentaneamente a análise crítica. Antes de tudo,  preocupa-se com a compreensão do que está sendo dito e como está sendo dito. Isto significa dizer que o olhar filosófico se preocupa com a lógica interna que desvela o pensamento do autor. Porque cada teoria/autor apresenta uma ordem das razões e, se não compreendermos essa lógica interna, a reflexão crítica não será possível, ou será ingênua (MACEDO JR., 2008). Então, vencida essa primeira etapa, chega-se à compreensão do método de pensar e de organizar um discurso apresentado pelo autor do texto que está sendo lido. Assim,

O leitor estrutural deve buscar compreender o texto a partir do sistema a que pertence, segundo a ordem interna das razões, ad mentem auctoris, isto é, segundo a mente do autor, recuperando, assim, o seu tempo lógico interno (MACEDO JR., 2008, p. 14)

Diferente de outras metodologias, o método de análise estrutural se preocupa com “a concatenação argumentativa das teses de um autor, a sua estrutura e coerência interna” (MACEDO JR., 2008, p. 14). Compreender seu tempo lógico significa refazer seus passos, repensar os movimentos que a estrutura do texto desvela. É nesse caminho em direção à  intencionalidade do autor de um texto ou teoria, que o método de análise estrutural se afigura como uma leitura reflexiva.


Como ler à moda da Filosofia?

Segundo Ronaldo Porto Macedo Jr (2008, p. 23-25) algumas dicas são importantes para o método de análise estrutural:

1.     Verifique em quantas partes o texto que está sendo lido poderá ser dividido. “Alguns já vêm divididos pelo próprio autor, outros não”;
2.     A escolha do número de partes deve estar relacionada à lógica interna do texto;
3.     Numere os argumentos à margem do texto para que você visualize a sua estrutura;
4.     Defina com clareza numa proposição qual o argumento desenvolvido em cada parte;
5.     Leia com atenção especial a parte que contém a ideia central e estruturante do argumento principal;
6.     Domínio dos conceitos: familiarize-se com o repertório conceitual do autor;
7.     Ao final da leitura, responda a si mesmo as seguintes perguntas: Do que trata o texto? Qual o tema principal? Como o autor o desenvolve? Contra quem o texto está sendo escrito? Devo concordar com as ideias do autor?

Referência:
MACEDO JR. (Coord.). Curso de filosofia política: do nascimento da filosofia a Kant. São Paulo: Atlas, 2008.


Os sujeitos do processo educativo


O outro, enquanto outro, é algo que não posso reduzir à minha medida. Mas é algo do qual posso ter uma experiência que me transforma em direção a mim mesmo (LARROSA, 1996, p. 138 apud FALABELO, 2008, p. 66).


A docência é uma atividade profissional que transcende a dimensão de um simples meio de vida, porque está comprometida com a formação de pessoas, num processo em que ocorre um entrecruzamento de vivências e olhares.

Nesse processo educativo há  o compromisso com a humanização que somente acontece a partir de uma dinâmica que se afigura no contato com o outro, mediado pela linguagem que é um instrumento simbólico que permite a comunicação para compartilhar as representações.

No mundo contemporâneo, os sujeitos do processo educativo: professor e aluno assumem papéis diferenciados, porque a busca pelo conhecimento ultrapassa o discurso docente e o material didático sugerido. A própria sala de aula, como espaço físico, deixou de ser o lugar exclusivo para o encontro em que há trocas de experiências, reconstrução de saberes e deslocamento de conceitos a partir de novas racionalidades (SOUZA, 2009).

Antes de prosseguir assista ao vídeo que trata dos sete saberes para a educação do futuro do filósofo francês, Edgar Morin, comentado pelo Professor Dr. Edgard Carvalho da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo:


Se você refletir sobre os sete saberes* para educação do futuro propostos por Edgar Morin, constatará que escolher as fontes do conteúdo a ser ministrado e sua organização exige, sem dúvida, o domínio da área de conhecimento, bem como a percepção de um novo espaço para relação ensino-aprendizagem.

[* Os sete saberes são: “as cegueiras do conhecimento: o erro e a ilusão;os princípios do conhecimento pertinente; ensinar a condição humana; ensinar a identidade terrena; enfrentar as incertezas; ensinar a compreensão; a ética do gênero humano.” MORIN, Edgar Os sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. 3. ed. São Paulo:Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2001. Para saber um pouco mais sobre a obra e o autor acesse o link: http://www.conteudoescola.com.br/site/content/view/89/27/]



Na educação contemporânea, os alunos devem ser vistos, também, como uma fonte de conhecimento (MOORE; KEARSLEY, 2008), porque as transformações tecnológicas que marcam a atualidade provocaram e provocam mudanças de conceitos e métodos de trabalhos (PINHEIRO, 2010).

Patrícia Peck Pinheiro (2010, p. 58), observa que os novos tempos nos conduzem ao que se denomina de “sociedade convergente”, entendendo sobre esse termo o sentido de uma sociedade em constante transformação desde a criação do telefone, instrumento que revolucionou as relações sociais até o surgimento das redes sociais.

Numa sociedade convergente há o encurtamento das distâncias, há a multicomunicação em novos veículos que alteram de maneira significativa as relações sociais. A convergência se configura na possibilidade de interligar diferentes sujeitos simultaneamente. É nesse sentido que uma reflexão crítica sobre a docência deve considerar os novos sujeitos que se afiguram a partir das transformações sociais e dos reflexos no campo do saber. Sujeitos que experimentam o conhecimento a partir de uma relação dialética. Por conseguinte, os conceitos de ensinar e aprender, professor e aluno devem ser revistos à luz de novos paradigmas em educação.


Para finalizar, assista ao vídeo que trata da do papel da cultura na formação do sujeito transformador:http://www.youtube.com/watch?v=EhFqc3W7YcM&feature=related

Fonte: http://clarabrum.blogspot.com.br/2013/05/os-desafios-de-uma-praxis-educativa.html

‘Nise’ vence como melhor filme no Festival de Cinema Brasileiro na Rússia


   
   
  •  
  • Nise, O Coração da Loucura, dirigido por Roberto Berliner, foi selecionado pela audiência como o melhor filme no Festival de Cinema Brasileiro na Rússia. O festival aconteceu em Moscou de 4 a 9 de outubro e em São Petersburgo de 11 a 16.
    É a nona vez que Moscou recebe a mostra e a quinta vez de São Petersburgo. Ao todo, foram dez longas, dois documentários e uma animação exibidos na edição deste ano. A 9ª edição do Festival de Cinema Brasileiro em Moscou bateu recorde de público na estreia: só a exibição de Nise, em um dos principais cinemas da capital russa, contou com mais de 800 espectadores presentes.
    Nise - O Coração da Loucura
    O filme "Nise - O Coração da Loucura" é um mergulho emocionante sobre um período em que a doutora alagoana, Nise da Silveira, assume suas funções no hospital público psiquiátrico, no subúrbio carioca de Engenho de Dentro, logo depois de sair da prisão, no início dos anos 1940. 

    “É muito bom ver como o nosso filme tem tocado as pessoas mundo afora e Brasil adentro. Esse projeto foi transformador para todos que participaram. Nise é uma pessoa fundamental, merece toda a atenção do mundo e eu fico muito orgulhoso de ter jogado um foco de luz a mais na história dela”, celebrou Berliner.
    Nise, O Coração da Loucura se passa na década de 1940, em um hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro, quando a médica psiquiatra Nise da Silveira questiona a violência no tratamento de pacientes diagnosticados com esquizofrenia. A médica revoluciona a área eliminando métodos agressivos como o eletrochoque e a lobotomia. Veja o trailer:
    O ator Augusto Madeira, que esteve em Moscou durante o festival para representar o filme, comemorou a escolha do público. “O povo russo sabe valorizar uma revolucionária, tal qual foi a Dra. Nise”, disse.
    Além do prêmio da Rússia, o filme acumula outras fontes de reconhecimento internacionais. A obra venceu as categorias “Melhor filme” e “Melhor atriz” no 28º Festival de Tóquio, levou o troféu de Melhor longa de ficção pelo Júri Popular no Festival de Cinema Latino de Epernay, na França, todas este ano, e ganhou como Melhor filme e prêmio da audiência no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro em 2015.
    Foram exibidos este ano no festival, além de Nise, os filmes Mais forte que o mundo, de Afonso Poyart; Em nome da lei, de Sérgio Rezende; Big Jato, de Cláudio de Assis; Mãe só há uma, de Anna Muylaert; De onde eu te vejo, de Luiz Villaça; Para minha amada morta, de Aly Muritiba; Real beleza, de Jorge Furtado; Muitos homens em um só, de Mini Kerti; e Ponte Aérea, de Juliana Rezende. Passaram por lá também a animação O menino e mundo, de Alê Abreu, e os documentários Damas do Samba, de Susanna Lira, e A herança russa, de Pablo Francischelli.

    Fonte: http://cultura.estadao.com.br/noticias/cinema,nise-o-coracao-da-loucura-vence-como-melhor-filme-no-festival-de-cinema-brasileiro-na-russia,10000082703

    62 º Feira do Livro Porto Alegre 2016 - Não percam!!




    Estaremos autografando e vendendo nesta Feira do Livro.
    Nossa sessão de autógrafos será dia 29 deste mês as 14 hs no Memorial do RGS.

    Venha fazer parte desta história!
    Venha conversar conosco e conhecer mais este trabalho nosso!!

    9 expressões populares com origens ligadas à escravidão; e você nem imaginava

    Certas expressões populares se tornam de tal forma parte de nosso vocabulário e repertório que é como se sempre tivessem existido. Dor de cotovelo, chorar as pitangas, dar com os burros n’água, engolir um sapo ou salvo pelo gongo, tudo é dito como se fosse a coisa mais natural e normal do mundo.

    No UOL

    Mas se mesmo as palavras mais corriqueiras possuem uma história e sua própria árvore etimológica, naturalmente que toda e qualquer expressão popular, das mais sábias e profundas às mais bestas e sem sentido, possuem uma origem, ora curiosa e interessante, ora sombria e simbólica de um passado sinistro.

    Pois muitas das expressões que usamos no dia a dia, e que hoje comunicam somente seu sentido funcional – aquilo que atualmente a frase “quer dizer” – são originarias de um vergonhoso e longo período da história do Brasil: a escravidão.



    Ainda que os sentidos originais tenham se diluído em algo trivial, essa origem permanece, como em toda palavra ou frase comum, feito um DNA marcando nossa própria história.



    O Brasil foi o país que mais recebeu escravos no mundo, e o último país independente do continente americano a abolir a escravidão. Conhecer o sentido original e a história de uma expressão é saber, afinal, o que é que estamos falando. Por isso, essa seleção de nove expressões populares criadas durante o período da escravidão no Brasil – uma época que faz parte de nosso passado, mas que possui ainda forte influência sobre nossa realidade atual.

    1. Tem caroço nesse angu

    A expressão, que significa que alguém estaria escondendo algo, tem sua origem em um truque realizado pelos escravos para melhor se alimentarem. Se muitas vezes o prato servido era composto exclusivamente de uma porção de angu de fubá, a escrava que lhes servia por vezes conseguia dar um jeito de esconder um pedaço de carne ou alguns torresmos embaixo do angu. A expressão nasceu do comentário de um ou outro escravo a respeito de certo prato que lhe parecesse suspeito.

    2. A dar com pau

    “Pau” é um substantivo utilizado em algumas expressões brasileiras, e tem sua origem nos navios negreiros. Muitos negros capturados preferiam morrer a serem escravizados e, durante a travessia da África para o Brasil, faziam greve de fome. Para resolver a situação, foi criado então o “pau de comer”, uma espécie de colhe que era enfiada na boca dessas pessoas aprisionadas por onde se jogava a comida (normalmente angi e sapa) até alimenta-los enfim. A população incorporou a expressão.



    3. Disputar a nega

    Essa expressão, que significa disputar mais uma partida de qualquer jogo para desempatá-lo, possui sua origem não só na escravidão, como também na misoginia e no estupro (o que espanta que até hoje seja utilizada com tanta naturalidade). Sua história é simples e intuitiva: quase sempre, quando os senhores do passado jogavam algum esporte ou jogo, o prêmio era uma escrava negra.


    4. Nas coxas

    A origem da expressão, que quer dizer algo mal feito, realizado sem capricho, é imprecisa, e não há consenso sobre se ela viria de fato do período da escravidão. De todo modo, há vertente mais popular afirma que a expressão viria do hábito dos escravos moldarem as telhas em suas coxas que, por possuírem tamanhos e formatos diferentes, acabavam irregulares e mal encaixadas.

    5. Espírito de porco

    Ainda que a origem da expressão venha da injusta má fama associada ao animal, por uma ideia de falta de higiene, sujeira e impureza, tal má fama é oriunda de princípios religiosos. Durante o período escravocrata, os escravos se recusavam e eram obrigados a matar o animal, para que servisse de alimento. A recusa vinha porque se acreditava que o espírito do animal abatido permaneceria no corpo de quem o matasse pelo resto de sua vida e, para complementar tal crença, a incrível semelhança que o choro do porco possui com um lamento humano tornava o ritual ainda mais assustador.

    6. Para inglês ver

    Essa expressão tem sua origem na escravidão, e também no mal hábito ainda atual brasileiro de aprovar leis que não “pegam” (que ninguém cumpre e nem é punido por isso). Em 1830, a Inglaterra exigiu que o Brasil criasse um esforço para acabar com o tráfico de escravos, e impusesse enfim leis que coibissem tal prática. O Brasil acatou a exigência inglesa, mas as autoridades daqui sabiam que tal lei simplesmente não seria cumprida – eram leis existentes somente em um papel, “para inglês ver”.

    7. Bucho Cheio ou Encher o bucho

    Expressão mais comuns em Minas, eram usadas tanto pelos escravos quanto por seus exploradores, evidentemente que com outra conotação da que se usa hoje. Atualmente significando estar bem alimentado, de barriga cheia, na época significavam a obrigação que os escravos que trabalhavam nas minas de ouro possuíam de preencher com ouro um buraco na parede, conhecido como “bucho”, para só então receber sua tigela de comida.


    8. Meia tigela

    A partir da expressão anterior, a história segue, dando origem a expressão “meia tigela”, que significa algo sem valor, medíocre, desimportante. Quando o escravo não conseguia preencher o “bucho” da mina com ouro, ele só recebia metade de uma tigela de comida. Muitas vezes, o escravo que com frequência não conseguia alcançar essa “meta” ganhava esse apelido. Tais hábitos não eram, porém, restritos às minas, e a punição retirando-se parte da comida era comum na maioria das obrigações dos escravos.

    9. Lavei a égua

    Por fim, a expressão “lavar a égua”, que quer dizer aproveitar, se dar bem, se redimir em algo, vem também da exploração do ouro, quando os escravos mais corajosos tentavam esconder algumas pepitas debaixo da crina do animal, ou esfregavam ouro em pó em sua pele. Depois pediam para lavar o animal e, com isso, recuperar o ouro escondido para, quem sabe, comprar sua própria liberdade. Os que eram descobertos, porém, poderiam ser açoitados até a morte.


    Fonte: http://www.geledes.org.br/9-expressoes-populares-com-origens-ligadas-escravidao-e-voce-nem-imaginava/#gs.null